F1: conheça o piloto que só entra na prova para liderar



  • ele já liderou diversas voltas em corridas de fórmula 1, porém nunca venceu uma prova da categoria. a frase anterior poderia se referir a um piloto azarado, mas na verdade azar é um substantivo que não pode ser utilizado quando falamos de bernd maylander, piloto alemão responsável por conduzir o mercedes-benz sls amg que faz o papel de safety car da categoria. e, enquanto quem dirige um monoposto de f1 tenta alcançar a glória a mais de 300 km/h, maylander se resume a ser um coadjuvante de luxo para a categoria. e, disso, ele não reclama nem um pouco.

    “não encaro o meu trabalho na fórmula 1 como uma competição. na verdade, sei da importância do meu papel e tento fazer o meu melhor”, disse. o alemão fez a maior parte da sua carreira em campeonatos de turismo, tendo como melhor resultado a vitória nas 24 horas de nürburgring em 2000, pilotando um porsche 911 gt3-r.

     bernd maylander, piloto do safety car da f1 (foto: rodrigo lara/autoesporte)

    lutando contra o espelho

    e não pense que a vida de piloto de safety car é fácil. divertida, talvez, seja o melhor adjetivo. “em todas as pistas que a categoria corre, realizamos treinos, tanto para ver o estado geral do carro, já que algo pode ter sido danificado durante o transporte do sls, como para checar as condições de pista”, conta. esses treinos duram cerca de uma hora e, segundo o piloto, ajudam a saber qual é o limite do sls em cada pista.

    por falar em limite, fica claro que o principal adversário do alemão é justamente ele próprio. “normalmente, atingir o limite para um piloto significa extrair o máximo de um carro. o problema é que eu quase sempre entro na pista, durante uma corrida, quando há alguma situação difícil. e qualquer exagero nesse momento significa colocar em risco os fiscais de pista e outras pessoas, então é um desafio saber até onde posso ir sem assumir riscos desnecessários, ao mesmo tempo em que ouço a direção de prova e tento passar a situação da pista, por exemplo, quando está chovendo”, explica.

    mesmo sem encarar o seu trabalho como uma competição, maylander revela alguns momentos de satisfação ao volante do mercedes. “os meus treinos são ótimos. mas confesso que, quando entro em uma corrida e vejo aquela fila atrás de mim, composta pelos melhores pilotos do mundo, e sei que eles não podem me ultrapassar, eu admito que abro um sorriso”, brinca.

    tudo pela segurança

    quando perguntado qual é o seu circuito favorito, maylander é enfático. “interlagos”, responde. média com a imprensa brasileira ou não, o simpático alemão argumenta sobre a escolha. “é um circuito técnico, com curvas dos mais variados tipos, fora o relevo, que oferece subidas e descidas.. e sempre tem o clima imprevisível, o que é um desafio a mais”, justifica. o piloto diz que, no final da reta dos boxes do circuito paulistano, o seu sls atinge cerca de 245 km/h. “parece lento para quem assiste, porém garanto que é bastante rápido”, comenta.

    mercedes-benz sls amg safety car (foto: rodrigo lara/autoesporte)<label class="foto-legenda">mercedes-benz sls amg safety car (foto: rodrigo lara/autoesporte)</label>

    por falar em chuva, muito é dito sobre o conservadorismo da fia quando o assunto é pista molhada. o alemão não enxerga dessa forma. “a nossa preocupação é 100% direcionada à segurança. fora isso, os carros mudaram em relação ao que eram há alguns anos, então muitas vezes a impressão de quem está fora da pista difere da realidade”.

    ainda no quesito segurança, maylander comentou sobre o trânsito brasileiro. “no caminho para o autódromo, pude notar que o motorista brasileiro está mais preocupado com a sua segurança. não vi nenhum motociclista sem capacete ou motorista sem cinto de segurança. nós da fia temos um papel ativo no que diz respeito à segurança do trânsito. é bom ver que as pessoas estão mais conscientes”, comemora.

    sobre a disputa de domingo, o piloto diz que prefere não entrar na pista. “lógico que, se precisar, eu estarei a postos como sempre. mas o campeonato dessa ano foi muito bom e a disputa entre fernando alonso (da ferrari) e sebastian vettel (da red bull) merece ser decidida entre eles”, conclui. como é possível notar, maylander é um coadjuvante bastante safisfeito com o seu papel dentro do circo da fórmula 1.