Avaliação - volkswagen saveiro highline 1.6 msi flex cab. dupla 2015



  • img_0007.jpg

    fotos: marcus lauria

    então bate aquela vontade de comer um belo hambúrguer, e as opções de restaurante recaem sobre as hamburguerias gourmet, que estão na moda, ou o bom e velho fast-food. na primeira opção, a qualidade é garantida, mas a variedade de recheio do lanche fica aquém das opções disponíveis no fast-food, que pode não ter a mesma riqueza de sabor, mas cumpre bem a função de matar a fome.

    img_9939.jpg

    assim é o cardápio para quem escolhe entre uma das duas picapes pequenas líderes de mercado. enquanto a saveiro preza pela dinâmica impecável e o câmbio delicioso, a strada sempre reagiu com ampla gama de opções: cabine simples, estendida ou dupla? motor 1.4, 1.6 ou 1.8? aventureira com ou sem bloqueio de diferencial? pois é, com tantas opções, a italiana fast-food vende mais do que a saveiro gourmet, embora possa custar mais em certas configurações.

    img_0069.jpg

    mas assim como a hamburgueria gourmet que permitiu aos clientes escolher uma ou duas carnes, a vw reagiu - tardiamente, diga-se de passagem - e passou a oferecer configuração de cabine dupla para a saveiro. trata-se de uma considerável modificação, especialmente na altura da carroceria, que precisou de um espaço extra para abrigar a cabeça dos passageiros do banco de trás. além disso, a saveiro traz espaço para cinco passageiros, enquanto a strada se limita a quatro.

    img_9930.jpg

    na prática, os três passageiros do banco de trás sofrem, a menos que tenham porte de ginasta. tanto o acesso quanto o espaço na extensão da cabine é ruim, tão ruim quanto na concorrência italiana, que pelo menos facilita o acesso dos mini-passageiros por meio de uma porta extra, algo que talvez seja adotado na saveiro 2018. eu, com meu porte de rinoceronte, só consegui ocupar o banco traseiro por alguns segundos, antes de ser acometido por uma cruel crise de claustrofobia.

    img_0050.jpg

    ocupando o banco do motorista, não pude deixar de frustrar-me com a falta da regulagem em altura e profundidade do volante, denotando que a saveiro highline, que deveria ser a mais completa da gama (junto com a cross e não abaixo desta) deriva das versões intermediárias do gol, com aletas mais simples dos comandos de seta/limpador e acionamento dos faróis por comandos giratórios na haste e não no painel, como no resto da linha vw. pelo menos o volante é aquele (bom) multifuncional de sempre, mas sem acabamento em couro.

    img_0058.jpg

    a posição de dirigir é um pouco mais alta do que se observa nas versões com cabine estendida, e o trilho do banco parece ser mais curto, atrapalhando a vida de quem tem pernas mais compridas. outro fator negativo é que o cinto de segurança passa a incomodar, assim como ocorre na strada. precisava ser tão fiel ao copiar a rival? em contrapartida o espaço para a cabeça é bom, enquanto os bancos continuam apoiando bem as costas e as coxas.

    img_0034.jpg

    ajustar os retrovisores externos é fácil, e logo se encontra uma posição agradável de forma que eles possam compensar a péssima visibilidade através do retrovisor central, por culpa da caçamba arrebitada. para manobrar, o sensor de estacionamento (opcional) com indicação gráfica no rádio supre a falta de visibilidade com louvor. com tudo isso, somado à direção hidráulica sem peso excessivo, manobrar a saveiro em vagas apertadas é uma tarefa tranquila.

    img_0039.jpg

    em percurso urbano, o primeiro ponto positivo a ser notado é que o câmbio mq 200 de engates precisos e eficientes continua a mesma maravilha. a suspensão também continua trabalhando com louvor, sem deixar a picape chacoalhar muito com a caçamba vazia. seu motor 1.6 8v da família ea-111 também não mudou, e continua eficiente ao entregar 15,6 kgfm @ 2.500 rpm, ofertando torque suficiente desde as baixas rotações. uma pena que a vw tenha deixado apenas a saveiro cross com opção do belíssimo bloco 1.6 16v da família ea-211.

    img_9894.jpg

    passando para o comportamento em rodovias, nota-se que os 104 cv @ 5.250 rpm do 1.6 são apenas cumpridores, ofertando boa dose de força em todas as situações, gozando do excelente casamento com o câmbio bem escalonado. porém, em ultrapassagens aonde eleva-se o giro do motor, nota-se que falta tempero acima das 4.500 rpm, situação em que o carro pouco desenvolve, mas o ruído do motor invade o habitáculo sem dó. em velocidades mais altas, os ruídos aerodinâmicos e de rolagem dos pneus se juntam ao concerto, maltratando um pouco os ouvidos.

    img_9902.jpg

    falando sobre o comportamento dinâmico, as pinças mordem os discos nos quatro eixos, a saveiro aponta para a curva com atitude e a tendência é completamente neutra, sem qualquer demonstração de instabilidade em qualquer um dos eixos. a carroceria rola bem pouco e os pneus pirelli p3000 de medida 205/60 r15 grudam no solo e são bem comedidos na cantoria. e tal comportamento exemplar em curvas deve ser a explicação da vw para não trazer o controle de estabilidade da cross para o restante da linha, o que é uma pena.

    img_9974.jpg

    a idade do motor pesa no consumo de combustível, que ficou em 6,3 km/l com etanol na cidade e 9,3 km/l na estrada, uma marca apenas razoável para uma picape com pouco mais de 1.100 kg. e quanto ao preço, a vw mostra que aprendeu com a fiat, cobrando a partir de caros r$ 54.380, que podem aumentar para r$ 57.300 quando equipada com sensor de estacionamento traseiro, roda de liga leve, bancos em couro e capota marítima. como comparação, a fiat strada trekking 1.6 16v cabine dupla parte de r$ 53.950 e pode chegar a r$ 57.830 equipada de forma similar, ou a caríssimos r$ 62.294 quando completamente equipada.

    img_9896.jpg

    em suma, a vw conseguiu equiparar a saveiro cabine dupla à sua rival, e embora de não trazer a praticidade da porta extra, consegue levar uma mini-pessoa a mais. e mesmo a saveiro adquirindo pontos negativos da strada cabine dupla como o preço elevado e a posição de dirigir pouco confortável, sua dinâmica continua superior à da rival, abrindo um sorriso no rosto de quem dirige por gostar do que faz. assim como na comparação com os hambúrgueres, apesar das semelhanças, o hambúrguer gourmet satisfaz mais quem realmente gosta de hambúrguer.

    continua na pÁgina 2