Newey: creio que a honda dará um bom passo à frente



  • para diretor técnico da red bull, avanços que fabricante japonesa deve obter para próxima temporada devem deixar a mclaren mais competitiva – a ponto de superar time austríaco

    após tentar acordos com mercedes, ferrari e honda, sem sucesso, a red bull se viu sem opções e segue com os motores renault para a temporada 2016 da fórmula 1 – a diferença para o próximo ano é que as unidades de potência do time de milton keynes serão rebatizadas como tag-heuer.

    posto isto, adrian newey, diretor técnico da red bull, crê que 2016 será um ano bastante complicado para a equipe, mesmo com o otimismo demonstrado em relação aos avanços que o chassi da próxima temporada deve apresentar.

    “creio que deve ser uma temporada extremamente complicada para nós. se o nosso motor tiver a mesma potência que vimos durante 2014 e 2015 – o que acho que será o caso – então estaremos bem atrás”, disse newey ao durante a etapa do mrf championship, em dubai.

    “baseado em todo o trabalho que fizemos até o momento, encontramos ganhos consideráveis na parte do chassi, mas as equipes de fábrica, como mercedes e ferrari, também vão avançar”, afirmou.

    além disso, newey destacou que outras equipes devem evoluir no quesito unidades de potência – especialmente a mclaren, que deve receber um motor honda significativamente melhor do que o visto neste ano.

    “nossa equipe irmã, a toro rosso, terá um motor ferrari 2015, que está significativamente à frente do renault deste ano. creio que a honda, pelo que temos visto, dará um bom passo à frente. o motor interno de combustão deles é bom, o problema deles neste ano foram os sistemas de recuperação de energia, pequenos demais. mas esse é um problema fácil de resolver durante o inverno”, disse, finalizando com um discurso em tom de crítica à fia (federação internacional de automobilismo).

    “então o próximo ano será realmente complicado. o melhor, creio, é esperar pelo que vai acontecer no esporte a partir de 2017 em diante. há um desejo por parte do órgão que comanda a categoria permitir que times independentes – como nós – tem acesso a motores competitivos?”, completou.

    entrevista por darshan chokhani


Entre para responder